InícioEconomiaPrograma de tribunal de Justiça de Brasília ajuda pessoas endividadas

Programa de tribunal de Justiça de Brasília ajuda pessoas endividadas

ipvaeiptuUm tribunal de Brasília resolveu ajudar pessoas endividadas. Eles criaram um serviço de atendimento personalizado para analisar as contas e as negociações com os credores.

“Quando eu fui ver a minha dívida estava em mais de R$ 100 mil. Quando eu me deparei com a situação que eu estava, corri onde eu tinha as dívidas e as portas estavam fechadas, então você não sabe o que faz. Você procura a solução e não encontra”, conta uma aposentada que não quer se identificar.

A aposentada ficou tão desesperada com o tamanho da dívida que precisou da ajuda de um psicólogo: “A maior culpada fui eu. Agora, eu tenho que pagar, porque eles colocaram bem claro pra gente. É uma necessidade ou um desejo e eu cheguei a conclusão que tudo era desejo”.

O atendimento a pessoas superendividas funciona em outros tribunais no país, mas em Brasília o programa é personalizado. Quem vai ao local é atendido sozinho. Primeiro, tem consultas com educadores financeiros e psicólogos. São funcionários do tribunal e voluntários.

Os devedores são como pacientes. Eles querem e precisam de ajuda e têm a intenção de pagar, por isso, são reeducados, aprendem a fazer planilhas de gastos e recebem ajuda para entender porque gastaram tanto.

As dívidas e contas do dia a dia são listadas: padaria, presente, mercado, cartão de crédito, prestação do carro. Diminuir os gastos não é fácil, mas é possível.

“Uma coisa é você chamar todos os credores para uma conciliação sem a pessoa se preparar, aí a chance de ter um acordo é muito menor nessas hipóteses. Então, a gente quer ter toda essa preparação prévia, a conciliação é o último passo . A gente já teve casos inclusive que nem chegou na conciliação aqui no Tribunal, a própria pessoa  procurou seus credores e  conseguiu renegociar sua dívida”, afirma a juíza responsável pelo programa.

O militar Alex Sandro foi até o Tribunal porque quando o salário dele entra, o banco desconta tudo. A dívida dele é 20 vezes maior do que o orçamento. “O banco do qual eu recebia salário, descontava tudo, então eu fiquei zero, fui vivendo só de favores”, relata.

Mesmo o caso dele tem jeito e vai ser resolvido em uma audiência conciliação com as empresas que ele está devendo. “Daqui pra frente é uma nova vida. Eu conseguindo conciliar com meus credores, é um novo método de viver. Agora, coisas desnecessárias são coisas desnecessárias, cada coisa no seu lugar”, diz Alex.

Fonte: Globo

Mais populares